quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Eu e vc... Por mim... Parte II

Você sempre se manteve imparcial. Você sempre tão calmo e seguro de si. E eu, querendo me segurar em você, mas não sabia como...
Falávamos sobre muitas coisas, como sempre mas sem as brincadeiras de antes. E isso doeu. Por que era tão legal. Aí me toquei de que eram essas brincadeiras que davam pistas e a tapada aqui não entendeu (ou não quis entender):
- Ei, tu ta demorando ai pq tu deve ta tc com alguma mulher né? Me esqueceu.,..snif..
- Pára de graça! No momento, só tenho olhos para uma pequenina mas ela vive me dando fora.
- Vai ver ela é muito chata. Não esquenta, vc vai achar alguém legal...
Conversas assim, que sem querer eu ficava esperando que ele as fizesse de novo, pra eu saber que tava tudo bem entre a gnt. Mas não.
Por um tempo, pensei que estivesse brincando com ele. Toda mulher gosta de ser cortejada e tals. Mas não era isso. Eu esperava que SOMENTE ele falasse isso. E entendi o que tava sentindo.
Marcamos de nos ver.
Mas não deu certo. Não pude ir. Mas catei as moedas em casa, comprei um cartao telefonico e liguei pra avisar. Ele já estava lá.
- Fifo, não dá pra eu ir, desculpa!! O papai pediu pra eu ficar em casa, ta? Mas a gnt marca outra data de certeza.
- O que? ta.. não to entendendo nada, ellen? ellen? ellen? ellen?...
- Fifo? Ta me escutando?
- Quê?
- Oi, mulher. Já entendi, certo. Tchau.
- Tchauzinho.
Depois disso, a gnt marcou na praça do forte pra se ver. Cheguei atrasada (a historia do banho de donzela, do dilema da roupa). Marcamos as 18h, cheguei as 20h --'
Porém, cade ele? Corri para o orelhao:
- Eu vou te matar, felipe!! Onde tu ta?
- Calma, mulher. eu to aqui na praça e tu?
- Eu também, mas vim no orelhao te ligar. Vou pra la onde a gnt marcou. Vai lá e nao demora!
- Ta, to indo.
Eu fiquei sentada e de repente ele chegou. Tímido. Aquela carinha de menino. Ops. carinha de menino... Enfim, a gnt iniciou uma conversa, mas meu nervosismo era tanto que me fez falar o instante todo enquanto ele só me olhava e sorria.
Numa hora, ele toca de leve a minha perna e diz:
- Ellen, vamos tomar sorvete?
Eu olhei pra ele e pensei:
"Sorvete? Ele passa a mão na minha perna e me convida pra tomar sorvete? Sei não... isso me deu medo... Vai que é uma desculpa pra me arrastar pra um outro canto?"
- Escuta, felipe. Tipo... Ta tarde já. me deixa na parada?
Ele todo sem graça, sorri timidamente e concorda com a cabeça.
Ao chegarmos lá, esperei uma moto e no instante que ele parou uma pra mim, lhe dei um beijo no rosto e disse:
- A gente ainda vai se ver bastante, fifo!
"As coisas haviam mudado, mas somente eu sabia as mudanças que realmente teriam significado pra mim. E aprendi com elas e as aceitei de bom grado." :D
To be continued...

Nenhum comentário: